Conheça 4 novas formas de captar recursos para sua organização

captacao-de-recursos

A captação de recursos é um desafio constante para o Terceiro Setor. Compreensível: no Brasil, já existem mais de 300 mil organizações sociais, e todas elas precisam de sustentabilidade financeira. Por esse motivo, é preciso estar sempre atento a novas possibilidades para diversificar as fontes de renda da sua organização, seja ela grande ou pequena.

E para que você não fique aí pensando sozinho em como inovar na captação de recursos, esse artigo traz 4 novas maneiras que podem ser agregadas à sua estratégia e irão dinamizar sua receita!

1 – Campanhas de financiamento coletivo

A “vaquinha repaginada” tem se mostrado uma importante alternativa para potencializar doações para organizações da sociedade civil. Isso acontece porque, ao divulgar o seu projeto em plataformas de financiamento coletivo, pessoas de vários locais do mundo podem conhecê-lo e sentir vontade de contribuir com a causa. Então, ocorre um aumento significativo no número de doadores e também a possibilidade de que eles criem um vínculo com a sua organização.

Para o Terceiro Setor, as campanhas de crowdfunding são interessantes não só para arrecadar dinheiro para viabilizar um projeto específico, mas também ao funcionar de modo recorrente. Nesse formato, o financiamento coletivo gera uma relação de longo prazo com os doadores, que colaboram mensalmente para apoiar sua causa como um todo.

Quer saber mais sobre financiamento coletivo? No artigo “Como o financiamento coletivo pode ajudar sua organização”, explicamos o bê a bá do crowdfunding. Vale a leitura!

2 – E-commerce

Comércio eletrônico e organizações sem fins lucrativos podem parecer uma combinação estranha, já que o Terceiro Setor não tem ganhos financeiros como objetivo. Mas o potencial das vendas online não deve ser ignorado pela sua organização, que pode explorar o e-commerce de diversas maneiras para ampliar o número de apoiadores.

Como fazer isso? Aí vão algumas sugestões:

  • Produtos licenciados são um bom meio de arrecadar fundos para uma causa. Por exemplo, se a sua organização está ligada ao câncer de mama, você pode vender durante o Outubro Rosa pulseirinhas com mensagens positivas.
  • Agora, se sua organização age em prol do meio ambiente, aproveite o comércio eletrônico para vender roupas feitas de maneira sustentável e ecológica. Assim, além de conseguir mais recursos, você também ajuda produtores que trabalham em sintonia com a sua causa.
  • Em datas comemorativas, crie uma linha de cartões que esteja alinhada com a sua missão.
  • Produtos simples, como calendários e adesivos, são opções viáveis para disponibilizar online.
  • Vai promover um evento? Disponibilize a venda de ingressos também em seu espaço de e-commerce.

Claro, uma loja virtual exige cuidados constantes e um bom planejamento para distribuir corretamente os produtos. Mas se a equipe da sua organização estiver com disponibilidade e o orçamento permitir o investimento, o retorno financeiro e o fortalecimento da sua marca valem a pena.

3 – Compra social

Já que acabamos de falar de e-commerce, vamos continuar no assunto “compras”. Mas, dessa vez, não é a sua organização que irá vender nada. Você já ouviu falar de plataformas de consumo social, como a Risü e o Polen? Através delas, compras feitas pela internet em lojas parceiras têm um percentual destinado a instituições sociais escolhidas pelo próprio comprador!

Vamos entender como essa mágica acontece. As duas plataformas funcionam de modo semelhante: primeiro, o consumidor se cadastra e instala um plugin no navegador. É esse plugin que o lembrará de ajudar sempre que ele acessar qualquer e-commerce parceiro das plataformas. Aí é só escolher a organização com a qual se deseja contribuir e uma parte da compra – vinda da comissão de venda – será transformada em doação.

4 – Micro doações

Você conhece o Movimento Arredondar? A partir de dois pilares – estabelecimentos comerciais parceiros e ONGs selecionadas – a ideia desse movimento é incentivar micro doações com o arredondamento do valor de compras.

Simples assim: quando o consumidor faz uma compra de valores quebrados – por exemplo R$ 18,70 – a loja o convida para arredondar esse montante para R$ 19,00 e encaminhar os R$ 0,30 centavos de sobra para organizações sociais que trabalham pelos 8 Objetivos do Milênio, da ONU. Assim, a cultura da doação é promovida por meio de uma forma de cooperação coletiva, que gera impacto social unindo centavo por centavo!

Inspirado depois de ler esses exemplos diferentes para captar de recursos? Continue acompanhando nosso blog para conhecer ainda mais sobre o universo da captação.